Google– ou –
Paulo Pimenta
Deputado • 3˚ mandato • Rio Grande do Sul

Paulo Pimenta

Pt 99188a71777981cbc6540a016ea44cd1a49f0c2a1a7d13f62ed31a5e00e9a729PT - Partido dos Trabalhadores

26 projetos cadastrados

3 aprovados, 0 reprovados

Votos em 60 projetos

40 sim, 20 não

Ranking
  • Domingos Neto
    72º
  • Marco Tebaldi
    73º
  • Paulo Pimenta
    74º
  • Arnaldo Jardim
    75º
  • Sandro Alex
    76º

Aceitação Geral

47.774 votos

37.253 sim

10.521 não

Total de comentários

876

Classificação Geral

Urgente
50%
Relevante
14%
Corajoso
7%
Inviável
3%
Irrelevante
5%
Sem noção
21%
Twitter:

deputadofederal

Biografia +
Naturalidade: Santa Maria, RS Profissões: Jornalista e Técnico Agrícola Mandatos Eletivos: Vereador, 1989-1992 (Santa Maria, RS – PT); Vereador, 1993-1996 (Santa Maria, RS – PT); Deputado Estadual, 1999-2000 (Rio Grande do Sul – PT); Vice-Prefeito, 2001-2002 (Santa Maria, RS – PT); Deputado Federal, 2003-2007 (Rio Grande do Sul – PT); Deputado Federal, 2007-2011 (Rio Grande do Sul – PT); Deputado Federal, 2011-2015 (Rio Grande do Sul – PT). Filiações Partidárias: PT, 1985-. Atividades Partidárias: Secretário de Comunicação Social, 1986-1987 e Secretário de Organização, 1988-1989, Executiva Municipal do PT, (Santa Maria, RS); Presidente, Diretório Municipal do PT, (Santa Maria, RS), 1990-1991; Líder da Bancada e Líder da Oposição, Grupo Parlamentar, CM, (Santa Maria, RS); Membro Titular, 1995-1997 e 2002-2004, e Vice-Presidente, 1997-1999, Diretório Estadual do PT, (Rio Grande do Sul); Vice-Líder do PT, 2003-2005. Atividades Parlamentares: Câmaras Municipais, Assembléias Legislativas e Câmara Legislativa do DF, Congresso Nacional, Câmara dos Deputados: Comissões Permanentes, Comissões Especiais e Comissões Externas.

Denominará o trevo rodoviário que interliga a BR-364 à BR-497 de Trevo Rodoviário Orlando Nunes de Paula.

Proposto pelo deputado
Aelton Freitas do PR

Possibilitará a inelegibilidade nos casos em que o candidato tiver sido julgado culpado por crime contra o meio-ambiente ou contra a saúde pública.

Possibilitará a inelegibilidade para o candidato que for condenado por abuso de autoridade.

Possibilitará que órgãos judiciais colegiados (como Conselhos e Comitês de justiça) tomem as decisões que possam levar à inelegibilidade do candidato.